POR

Arquitetura e saúde – das condições de vida nas favelas às estruturas hospitalares, o tema será debatido em seminário do UIA2020RIO

12/02/2020
Rocinha: saúde depende de urbanização

Maior favela do Brasil, a Rocinha, no Rio de Janeiro é também um dos locais de maior incidência de tuberculose no país: a taxa entre os moradores da comunidade chega a ser 12 vezes maior que entre os brasileiros. Não é difícil associar o adoecimento da população à desigualdade social. Mas a melhoria desse panorama pode vir de iniciativas das mais diversas áreas, sobretudo da arquitetura e do urbanismo. É no que insiste o arquiteto Luiz Carlos Toledo, autor do Plano Diretor Sócio-Espacial da Rocinha. “É sabido que o número de cômodos dos domicílios e a concentração humana intradomiciliar, assim como o processo de urbanização local, que não favorece o arejamento adequado, e a reduzida entrada de luz solar nos domicílios, são fatores determinantes para a expansão e disseminação das doenças de transmissão respiratória, dentre elas a tuberculose”, explica Toledo.

O arquiteto Luiz Carlos Toledo elaborou o plano diretor junto aos moradores

Elaborado junto à comunidade, o Plano do arquiteto propunha a implantação de “corredores verdes” nas áreas mais densas por onde passavam os principais talvegues das encostas e das áreas planas ocupadas pela favela. Toledo destaca a importância da arborização para atenuar as condições climáticas e reter as águas das chuvas. “Sugerimos uma conquista paulatina de pulmões espaciais de pequeno porte. A abertura desses espaços livres deve formar uma rede de largos, pequenas praças e áreas de lazer, que ajudarão a reverter o atual quadro de insalubridade dos becos e travessas”, publicou em 2007.

Implementado apenas em parte, o Plano Diretor da Rocinha chegou a reduzir o índice de tuberculose na comunidade, conforme foi apurado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Mas não teve prosseguimento. No entanto, a relação entre arquitetura e saúde ganha a cada dia mais evidência em todo o mundo. Em julho, durante o 27º Congresso Mundial de Arquitetos, o tema será debatido em um seminário específico – o 40 º Seminário Internacional do Public Health Group (PHG), um dos grupos temáticos que compõem a União Internacional dos Arquitetos (UIA).

O evento está sendo organizado pelo Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), junto à Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) e à Associação Brasileira para o Desenvolvimento Hospitalar (ABDEH). Dois temas transversais foram propostos: além de Saúde e Cidades, que vai tratar do impacto das características urbanísticas na qualidade de vida das populações, também será abordada a Arquitetura para a Saúde, com exemplos de edificações que contribuem para melhorar a saúde de pessoas enfermas e debates sobre a importância da humanização dos espaços para tratamento da saúde.

Artigos e projetos

Estão abertas as inscrições de artigos e projetos sobre os dois temas para serem apresentados no Seminário Internacional PHG2020. Quem coordena essa edição do evento é o arquiteto Jerônimo de Moraes Neto.

As informações sobre o Seminário e sobre a inscrição de trabalhos estão disponíveis aqui.
Call for Presentations (English Version)
Call for Presentations (Portuguese Version)
Call for Presentations (Spanish Version)



Realização

Promoção

Parceiros Institucionais

Apoio Institucional

Parceiro em Artigos & Projetos

Parceiro de Mídia

Agência de Viagens

Expo

Produção

Secretaria Executiva