POR

Painel preparatório para UIA 2020 RIO aquece debate sobre os principais desafios do Rio de Janeiro

Foto: Lucas Jones

Na esteira das discussões fomentadas pelo UIA 2020 RIO, o painel “Cidades Inteligentes - O Rio que queremos”, organizado pela TV Globo, promoveu nesta terça-feira, 16 de julho, um rico debate entre especialistas e membros da sociedade civil, no Circo Crescer e Viver, sobre as principais questões enfrentadas pela cidade e possíveis soluções.

O encontro, mediado pela jornalista Mariana Gross, contou com a participação do jornalista especialista em sustentabilidade André Trigueiro; o presidente do Comitê Executivo do Congresso Mundial de Arquitetos, Sérgio Magalhães; o coordenador da Casa Fluminense, Henrique Silveira; e o diretor da Redes da Maré, Edson Diniz, que responderam a perguntas de uma plateia em busca de soluções.

Estiveram em pauta temas como mobilidade urbana, sustentabilidade, ocupação territorial, crescimento desordenado, desigualdade social, políticas de inclusão e urbanismo como instrumento de desenvolvimento econômico, social e urbano.

“Em 2020, teremos uma programação intensa para debater os desafios das cidades brasileiras. Daqui a um ano, acontece o Congresso Mundial de Arquitetos e o Fórum Mundial de Cidades. Queremos pensar propostas para 2025 e 2030 que signifiquem uma mudança daquilo que lamentamos na cidade”, resumiu Magalhães sobre a missão do UIA 2020 RIO.

Foto: Lucas Jones

Para ele, pensar a cidade envolve pensar além dos limites de cada município:
“São 12 milhões de pessoas num Rio que já não distingue um município de outro. É uma cidade metropolitana em que um terço dos moradores gasta mais de quatro horas por dia no trajeto casa - trabalho - casa. É o pior índice entre as cidades brasileiras”.

Para Edson Diniz, da Redes da Maré, é questão sensível no planejamento das cidades a marginalização das pessoas que as constroem, excluindo-os também das discussões sobre suas necessidades e desejos.

“Hoje, a Maré tem mais de 140 mil pessoas - população maior do que 93% das cidades brasileiras. São pessoas que constroem as cidades, as linhas viárias, mas que são pouco ouvidos. A gente fala em cidades inteligentes, em mobilidade, tecnologia, mas esquece da alma das cidades, que é o encontro de pessoas. Se ela não se dá em condições favoráveis, é um ambiente ruim de se viver”, disse.

André Trigueiro chamou a atenção para o desafio do planejamento urbano em uma cidade dividida.

“Crescer por crescer é a filosofia da célula cancerosa. Mas para pensar planejamento urbano tem que haver controle sobre o território. Como, se parte é da milícia e outra é do tráfico? O problema é que a repartição entre milícia e tráfico é uma política pública”, opinou.

Henrique Silveira, por sua vez, defendeu que o desenvolvimento sustentável está intrinsecamente ligado à garantia dos direitos fundamentais do cidadão.

“O que é sustentabilidade para a gente? É o piso social e o teto ambiental. É o patamar básico de dignidade e de direitos. O erro está em achar que é só uma tecnologia verde”, defendeu.

O debate serviu de aquecimento para os temas que serão discutidos no próximo ano, no UIA 2020 RIO, quando o Rio receberá milhares de profissionais no 27º Congresso Mundial de Arquitetos.

Para garantir sua inscrição antecipada com desconto, inscreva-se no site.

SOBRE O UIA 2020 RIO

Escolhido pela Unesco como a Primeira Capital Mundial da Arquitetura, o Rio de Janeiro será sede do Fórum Mundial de Cidades Unesco-UIA, nos dias 17 e 18 de julho de 2020, e do Congresso Mundial de Arquitetos, nos dias 19 a 23 do mesmo mês. Os dois eventos fazem parte da extensa programação RIO2020, que será realizada na capital carioca ao longo do ano que vem. O congresso terá como tema “Todos os mundos, um só mundo, arquitetura 21”.



Realização

Promoção

Parceiros Institucionais

Apoio Institucional

Parceiro em Artigos & Projetos

Agência de Viagens

Expo

Produção

Secretaria Executiva